Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma página em branco

Uma página em branco

10
Jul17

Um momento de raiva - Página 13

Miss Winter

Na sexta-feira passada, foi a festinha do puto, como sempre calha na semana que trato dos salários, andei a fazer tudo a correr, tentei que ficasse pronto na quinta, o que é por transferência ficou nesse dia mas não havia dinheiro e o banco estava a fechar, já teve que ficar para sexta. Avisei os patrões fica tudo pronto depois que alguém pague porque é a festa do meu filho e não vou perder (infelizmente já perdi algumas, mas prometi que a partir de agora não vou falhar nenhuma).

 

Avisei o pai 8 dias antes, e quarta como estava com o filho avisei-o da hora e local e que dissesse à mãe (naquele instante estava a entrar para casa dela nem assim...) Disse que não sabia se podia ir, se calhar o grupo de incêndios iam formar coluna para outra localidade... ok

 

Pensei logo... será dificil pedir alguém que o substiua? São 3 grupos ou 4 grupos não dá para pedir para fazer uma troca? Mas fico calada e guardo para mim...

 

Chegou sexta... cansadissima, lembrei-me de ligar à mãe a ver se ele tinha dito... claro que não... e infelizmente ela não estava cá.

 

Cheguei à Casa da Cultura, vi logo que ele não estava... o resto dos pais bombeiros estavam lá... uns à civil outros fardados... menos ele.

 

Chega a vez da turma do meu filho actuar, foi muito lindo, portou-se lindamente como sempre. Fui buscá-lo ao palco, ficou radiante quando me viu... perguntou logo pelo pai. O pai não está filho, não pôde vir... Fomo-nos sentar e nessa fila estava o pai de um colega também bombeiro... perguntou-lhe onde estava o pai e ele disse se calhar está aí atrás e eu acenei que não...

 

Passado um pouco não sei se por tristeza ou frustrado de não ter ali o pai começa a olhar para todos os lados a ver se via os colegas e a perguntar por eles. E eu respondi estão por aí sentados com as mães. Começou a chorar que não conseguia com que ele parasse... naquele momento senti uma grande tristeza e angústia, ele só tinha ali a mãe enquanto os outros meninos tinham, pais, avós, tios... fiz um esforço para não começar a chorar. E lembrei-me como me senti quando os meus pais nunca participavam em nada nem a uma reunião a minha mãe ia...

 

Eu achei aquilo tudo estranho visto que ele quando não pode liga a desculpar-se, não ligou em todo o dia. Se fosse meses atrás, eu pegava no telefone e mandava-lhe uma mensagem a dizer-lhe tudo o que me ia na alma. Hoje não, não posso mostrar que é importante...

 

Sábado de manhã ainda eu não estava muito bem porque também ando super cansada, o corpo e cérebro estão a pedir férias (esta sexta ja entro de férias), liga ele:

 

- Então como correu a festa?

- Bem, fez tudo direitinho, portou-se bem (mas eu com voz que não estava bem há momentos que não consigo disfarçar)

- Já sei que perguntou por mim

- Sim

- Surgiu um serviço naquela hora... (what???? que coincidência serviço no momento que começava a festa? Começo a acreditar que nem se lembrou, afinal não foram para outra localidade, foram hoje)

- Estás chateada?

- Não, porque haveria de estar?

- Até logo... beijos

- Beijos e desliguei logo que pelos vistos nem ouviu.

 

Mal desligo, manda sms:

- Beijos

- Eu ouvi e respondi

- Parecia que estavas com pressa de desligar o telefone

- Sim estava com pressa porque ando a arrumar e ainda não consegui fazer quase nada.

- Ok

 

Mandei as fotos da festa só para ele sentir remorso...

- É para ficares com uma recordação do fim da primeira etapa do teu filho

- Muito obrigado... um beijo do tamanho do mundo para vós

 

Esta matou-me e com mais raiva fiquei, eu ando a desconfiar que a minha paz está para acabar, esta mensagem só mostra que mais dia menos dia volta ao ataque.

 

Ontem como o meu filho me pediu logo de manhã que queria ver a avozinha, prometi que íamos, só consegui ir às 19 e a pedir a todos os santos que ele não estivesse, não estava... ufa que bom.

 

Eram as 20 disse ao meu filho para irmos embora para ir comer a sopa. Nisto liga ele... parece que adivinha quando estou lá.

 

Não percebi o telefonema apenas perguntou como eu estava e claro tive que dizer que estávamos na mãe mas que já ia embora para ele comer a sopa.

- A minha mãe não tem?

- Não, senão já lhe tinha oferecido.

- Então espera que eu já vou jantar

 

(fonix)

 

Conclusão depois o menino não queria ir embora, a avó só tinha lasanha mas ele não liga a isso mas disse que queria só para poder ficar, obrigou-me a jantar lá (e o meu querido ex a insistir) eu como nem tinha fome e só de ele estar ali passou-me a vontade comi um pouquinho para não dizer que não... mas ele ficou no sofá e eu fiquei de costas.

 

Até teve tempo de analisar que eu tinha uma grande nódoa negra no braço...

 

- O que te aconteceu?

- Bati com o braço no portão...

 

Ainda bem que o meu filho pediu para ir embora e lá fomos.

Chegamos ao carro e perguntei porque quis vir embora...

 

- Porque tenho muita fominha, quero a sopinha... eram 21:15 e ele a comer sopa ehehe

 

(desculpem o testamento mas estava a precisar deitar tudo cá para fora)

 

07
Jul17

Birras matinais - Página 12

Miss Winter

Sejam sinceras, as birras logo pela manhã dos nossos filhos é a coisinha mais docinha e ternurenta que há... stoppppppppppppp é de nos tirar do sério em segundos.

 

Agora dá-lhe para ser esquisito com a roupa e calçado. Um destes dias eu queria vestir calções ele quis calças, o calçado já nem sei o que queria...

 

Mas hoje foi top... a roupa estava bem porque lhe disse que era aquela que a professora queria que levasse para a festa de fim do ano lectivo, quando chegou o calçado... eu queria calçar as sandálias mas ele queria as sapatilhas brancas já todas rafadas à frente.

 

Começou a chorar e agarrou-se às sapatilhas e colocou as sandálias no sitio... filho a professora disse para levares estas sandálias não vês que combinam com o Jaise da Patrulha Pata (não sei se é assim que se escreve mal para eu saber os nomes de todos ihihihih).

 

Deitei-o na cama para o vestir, esperneava, virava-se a chorar como se alguém o estivesse a atacar... e eu com uma paciência a falar com ele mas com vontade de lhe mandar um berro... Eu a calçar as sandálias e ele a desapertar.

 

Até que me passei visto as horas estarem a passar como todos os dias... ou páras de chorar ou levas um tabefe... será que ele sabe o que é um tabefe? ahahah pronto foi remédio santo lá se agarrou a mim...

 

- anda cá meu amor, já passou dá cá um abracinho, lá fui uns segundos a sentar-me com ele no sofá abraçadinhos para acalmar e pronto passou...

 

Mas anda muito sensivel, se elevo um pouco a voz fica logo sentido, a professora também diz que se um menino lhe tira qualquer coisa ou se lhe toca ou empurra chora logo muito sentido... para mim isto é uma fase porque de resto anda sempre contente.

 

Mas hoje vi que por trás da orelha estava maçada nem sei como ontem não vi ao dar-lhe banho, perguntei à professora o que tinha sido... devia ter sido então ontem que ele começou a chorar muito mas quando começa a chorar nem consegue explicar o que aconteceu, então foi um menino que lhe feri com qualquer coisa (o mesmo que ele dá sempre queixas... para mim são miúdos mas este já se passa e é mais novo que o meu, como vai ser quando crescer...)

birras legal.jpg

 (... enquanto o pai vai fazer a sua corridinha (segundo o face dele)... a mãe stressa mas acredito que eu perco mais calorias do que ele ihihihih)

 

Haja muita paciência :)

05
Jul17

As nossas acções são as acções dos nossos filhos no futuro - Página 11

Miss Winter

Estas duas semanas o pai do meu filho está de grupo de prevenção aos incêndios, 24h/24h sem interrupção, sei que será dificil estar com o filho.

 

Anteontem estava com o meu filho no parque, depois de ir buscá-lo ao infantário, passa um carro de incêndios mas nem reparei quem ia.

 

Manda-me uma mensagem:

- andas a passear o pimpão?

- sim... como sabes?

 

Depois ligou-me a dizer que tinha passado no camião que já estavam no incêndio desde a 1h da manhã.

 

Fui dar mais uma voltinha passado 5m liga outra vez.

 

- Ainda estás no jardim?

- Sim... estou a tentar convencer o teu filho para irmos embora.

- Então passa aqui só 5m para lhe dar um beijo para depois ir tomar banho.

 

E claro que fui, foram 15m eu fiquei no carro e fiz o meu filho feliz e o pai é claro.

 

Depois cada um seguiu a sua vida.

 

Eu sei que vieram logo os colegas todos a ver, eu sei que estão sempre a especular se estamos juntos ou não, eu sei que as pessoas acham isto estranho porque estão sempre a ver os ex casais em tribunais.

 

Mas é isto que quero ensinar ao meu filho, apesar do pai ter falhado connosco e de não merecer, temos que aprender a perdoar e a nossa missão continua  a ser a mesma: fazer o nosso filho feliz, separados também é possivel, basta conseguirmos ser dois adultos que sabe o que quer.

 

Isto dá trabalho, temos que saber gerir emoções e sentimentos mas todos ganhamos e somos mais felizes e de bem com a vida.

03
Jul17

A mudança tem que vir de dentro - Página 10

Miss Winter

Enquanto ocorreu a tentativa de reconcliliação, comecei a sentir um cansaço enorme, para fazer tarefas simples custava-me imenso e já começava a ficar assustada.

 

Este cansaço era o cançaço emocional... esgotamento emocional... dia para dia estava a ficar sem vontade de nada e porquê? Porque eu sabia que isto era tudo menos uma reconciliação.

 

Temos que saber quando chega o dia de dizer não e dar um murro na mesa. Não nascemos para ser infelizes, não nascemos para viver o que não queremos.

 

Amar não é aceitar tudo, amar não é aceitar aquilo que nos faz mal. Ponto final.

 

A partir desse momento (não digo que de vez em quando não haja momentos menos bons) mas voltou a energia, estou voltada para a organização da casa, agora posso colocar tudo como quero sem estar a pedir opiniões.

 

O domingo, a partir do momento que o meu filho acorda da sesta é dele. Ontem das 17:30 até ir dormir foi tudo para ele.

 

Fomos ao jardim andar de escorrega e ver os peixinhos ao lago, fomos lanchar à pastelaria, ele um gelado, eu uma tosta mista (nunca imaginei fazer isto sozinha neste caso com o meu filho), depois claro tinhamos que ir à barragem. Depois viemos jantar e fomos ver a tia que estava doente (soube pelo face... não gosto de saber assim mas fui vê-la na mesma)

 

Depois perguntei ao meu filho o que gostou mais do que fizemos no domingo:

- de ti mãe... como fica uma mãe a ouvir isto...

 

... o divórcio também traz coisas boas, só depende de nós...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D